Baixa voltagem

Vendas fracas de carros elétricos fazem Audi suspender dois projetos e decepciona a Renault

Texto: Edimarcio Augusto Monteiro | Test Rider

Os carros 100% elétricos foram apresentados por muitas montadoras como a solução energética – ou pelo menos a melhor opção – para a mobilidade humana. Nos últimos cinco anos, ganharam o atraente slogan de “veículos verdes”, capazes de reduzir a poluição atmosférica, um dos grandes problemas das metrópoles mundiais. Amparados por uma grande campanha de marketing, vários protótipos elétricos invadiram os maiores salões de automóveis do planeta, de Detroit a Frankfurt.

Mas a realidade que se apresenta hoje é diferente e há sinais que a essa tecnologia terá de ser repensada. A Audi colocou o pé no freio em relação aos carros elétricos, anunciando o cancelamento em definitivo do projeto do A2 e suspendendo por tempo indeterminado o lançamento do R8 e-tron, que já estava atrasado – deveria ter ocorrido no final de 2012. O motivo é o mais simples possível e capaz de convencer qualquer empresário ou executivo. As vendas de carros elétricos estão muito abaixo das projeções feitas pelas indústrias.

Vendas

A japonesa Nissan esperava vender 20 mil Leaf nos Estados Unidos em 2012, mas atingiu apenas 35% dessa meta, com o emplacamentos de 7 mil unidades. A francesa Renault, uma das montadoras que mais aposta nessa tecnologia, admite que está decepcionada com as vendas de carros elétricos na Europa, apesar de ocupar a liderança no segmento. “Eu acho que as pessoas inventam restrições que os carros não têm”, diz o diretor de Marketing da montadora, Stephen Norman. Ele anuncia uma estratégia mais agressiva para ressaltar as vantagens da tecnologia, como economia, freios mais eficientes e o conforto do silêncio. No primeiro trimestre deste ano, a Renault iniciará as entregas na França do Zoe, o primeiro 100% elétrico popular.

Ele é equipado com motor de 86 cv, alimentado por baterias de íons de lítio, que garantem uma autonomia de 210 km. O Zoe é oferecido por 13,7 mil euros (em torno de R$ 37,6 mil), incluindo o subsídio de 7 mil euros para os carros verdes. O Zoe é o quarto modelo elétrico da marca, que tem em seu portfólio o Fluence ZE, Kangoo ZE e o Twizy.

Futuro

Um dos obstáculos da indústria é convencer os consumidores a pagarem mais para ter um carro elétrico. Também há temas que elas evitam tocar. Entre eles o que será feito com as baterias de íons de lítio, a mais usada para alimentar os motores elétricos dos carros, quando a vida útil acabar. Também ninguém responde quando custará ao consumidor para substituir as baterias, que têm um peso significativo no valor dos carros.

Mas é prematuro fazer qualquer previsão sobre os carros elétricos, até porque a tecnologia ainda é nova, mas o certo é que não é uma unanimidade. O presidente da Ferrari, Luca di Montezemolo, já declarou que a montadora nunca terá um carro 100% elétrico enquanto ele for o chefão. O todo-poderoso da Cavallino Rampante acredita, porém, no futuro dos carros híbridos, que associam propulsores a combustão e elétricos. Essa motorização estará presente na sucessora da icônica Ferrari Enzo, que será lançada em fevereiro, que contará um motor V12 de 6.3 litros de 760 cv e outro elétrico, que desenvolve mais 100 cv.

BMW investe há 40 ano

Apesar dos carros elétricos ganharem mais espaço recente-mente, a tecnologia existe há varias décadas. A BMW comemora os 40 anos de construção de veículos elétricos. Os primeiros dois protótipos do 1602 foram apresentados nos Jogos Olímpicos de 1972, equipados com motor de 43 cv alimentado por 12 baterias de 12V. O modelo acelerava de 0 a 50 km/h em 8 segundos e atingia a velocidade máxima de 100 km, com uma autonomia de 30 km.

O 325i ofereceu o primeiro vislumbre da viabilidade dos carros elétricos. O sedã tinha um motor de 30 cv, acelerava de a 50 km/h em 9 segundos e atingia a velocidade máxima de 100 km/h. A autonomia aumentou muito e chegou aos 150 km. Todo o conhecimento obtido está sendo usado no i3, que será lançado este ano e será o primeiro carro 100% elétrico da montadora bávara a ser comercializado. A BMW não revelou os detalhes técnicos do modelo, mas apresentou no Salão de Los Angeles (EUA), em novembro, o i3 Coupe Concept, uma nova versão modelo, alimentado por um motor elétrico de 170 cv de potência e 250 Nm de torque. As baterias de íons de lítio permitem uma autonomia de 160 km com uma única carga.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *